Por Redação

 

Na quinta-feira 20, estreia o exclusivo HOLIDAY dirigido por Isabella Eklöf, sobre uma jovem que vai passar férias com o namorado gângster na Turquia e enfrenta o desequilíbrio de poder na relação .

Na sexta-feira 21, chegam à plataforma TÁXI TEERÃ (2015), de Jafar Panahi, CORPO E ALMA (2017), de Ildikó Enyedi, e NÃO ME TOQUE (2018), de Adina Pintilie, todos vencedores do URSO DE OURO, o tema da semana

Três dos quatro lançamentos são dirigidos por mulheres: HOLIDAY, NÃO ME TOQUE e CORPO E ALMA.

 

 

QUINTA-FEIRA 20 – ESTREIA DA SEMANA

 

HOLIDAY (2018) – link disponível

Dir. Isabella Eklöf

A diretora sueca impressionou o Sundance Festival com seu filme de estreia. A jovem Sascha (Victoria Carmen Sonne) é uma jovem dinamarquesa que vai passar férias idílicas ao lado do namorado Michael (Lai Yde) – pelo menos, é o que ela pensa. Michael é um gângster que reuniu amigos numa villa em Bodrum, na Turquia. Quando Sascha interage com Tomas (Thijs Römer), Michael resolve mostrar quem manda. O filme é explícito em sua abordagem da violência contra as mulheres e de um universo de desequilíbrio de poder e traz o mundo do crime sob o ponto de vista de uma mulher.

 

SEXTA-FEIRA 21 – TEMA DA SEMANA

URSO DE OURO

O Festival de Berlim é conhecido por privilegiar filmes de temáticas políticas e sociais e apostar em novos talentos. A RESERVA IMOVISION  lança três vencedores do Urso de Ouro:

Ø TÁXI TEERÃ (2015), de Jafar Panahi

Banido de fazer cinema pelo governo do Irã, o cineasta se disfarça de taxista e percorre as ruas de Teerã, contracenando com um vendedor de filmes piratas, duas senhoras supersticiosas e sua sobrinha cheia de opiniões, discutindo as questões sociais e políticas fundamentais do país.

 

Ø CORPO E ALMA (2017), de Ildikó Enyedi

A diretora húngara constrói um romance incomum entre Endre (Géza Morcsányi) e Mária (Alexandra Borbély), colegas de trabalho num matadouro e igualmente tímidos e reservados. Mas, no sonho que compartilham, eles se encontram como cervos em uma floresta nevada.

NÃO ME TOQUE (2018), de Adina Pintilie

O longa da cineasta romena é difícil de definir: parte documentário, parte ensaio, parte ficção, parte investigação pessoal. Os personagens, como Pintilie, estão em uma jornada de exploração emocional da intimidade e da aceitação de seus corpos como eles são.