POR EDUARDO PEPE

 

“ICarly” acabou já tem quase 10 anos,  mas a série da Nickelodeon ainda permanecia viva na memória afetiva dos telespectadores que acompanharam o grupo precursor dos YouTubers de 2007 a 2012. A série permaneceu tão viva que até ganhou uma tread no Twitter falando motivos para a série ser “problemática”. De fato, vários episódios da série, hoje, causariam rebuliço na geração Z e críticas para todos os lados na internet. Mas é como dizem “eram outros tempos”. Ainda assim, o revival da série, disponível no Paramount+, consegue trazer os elementos centrais que fizeram a série ser um sucesso sem deixar de modernizar os temas e assuntos abordados.

Elenco do revival de ICarly (Foto: Divulgação)

Os três primeiros episódios foram disponibilizados inicialmente e a cada quinta-feira saíra mais um. Ao todos, serão 13 episódios na temporada. Do elenco principal, apenas Jennette McCurdy, a interprete de Sam, não retorna. A atriz alegou problemas pessoais graves relacionados a época que gravava a série, desde questões com um antigo produtor da série quanto um relacionamento tóxico com a mãe. De resto, Carly, Fred e Spencer retornam como trio principal e ganham novos integrantes: Harper, feita por Laci Mosley, como a nova colega de apartamento de Carly, e Millicent Benson, feita por Jaidyn Triplett, como a filha adotiva de Fred.

Há sempre uma curiosidade, algo de precioso em rever personagens que marcaram uma época depois de tanto tempo, “adaptados” aos novos tempos. Então, passados 10 anos, Carly não se encontrou em nenhuma profissão e resolve voltar com o canal ICarly, Fred se tornou um empresário de sucesso donos de Star-ups que deram certo em sua maioria e, o mais chocante e engraçado de tudo, Spencer se tornou um escultor de sucesso. Em alguns casos, revivais desse porte é puro caça-níquel, a série apenas enumera referências de cenas que os fãs amam e embolam num novo formato e entrego para consumo imediato.

Elenco do revival de ICarly (Foto: Divulgação)

Esse não é o caso aqui: a série mantém os personagens, os atores, os cenários e mantém até as risadas do público em cena. O clima de nostalgia está presente, claro, mas o melhor mesmo é como eles conseguem manter o estilo de humor que consagrou a série dentro de paradigmas e questões atuais. Os dois estilos não brigam e, sim, se complementam. O episódio 3, por exemplo, é sobre cancelamento, fenômeno totalmente contemporâneo, mas o estilo da narrativa e do humor poderia ter sido de um episódio de alguma temporada da série. Então, em 2007, uma série sobre um trio de adolescentes lançarem um programa pra internet, tinha lá seu pioneirismo e se mantém atual, feita as devidas adaptações.

Leia Mais: Estreias de junho no Disney+